segunda-feira, 15 de julho de 2013

VERDADE POÉTICA, de Eugénio de Andrade

Imagem retirada de http://www.flickr.com/photos/amigosdosacores/
















Há quantos anos estás aí, na eira
ou no telhado, esgadanhando
o pão difícil sol a sol,
aceitando as migalhas do nosso coração,
compartilhando entre a poeira
a cama da nossa obscura condição;
irmão libidinoso e romano
pássaro de Catulo; sempre
à nossa roda, mais verdade poética
que criatura natural, como um poeta
americano disse do pardal.
Hoje é um português nada orgulhoso
de o ser que te abre as portas
do poema e te convida a entrar,
pois não fizeste do teu canto um luxo
nem traficaste com o bem comum –
por isso como os garotos da rua
descobres o gosto da vida
até num charco de água turva.

In «Com o sol em cada sílaba» (poesia), de Eugénio de Andrade (com uma fotografia do autor por Dario Gonçalves), colecção «Pequeno Formato» (n.º 5), Edições ASA, Porto, Abril de 2002 (3.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário