terça-feira, 30 de julho de 2013

K’ OUEN, poema de Yvette K. Centeno

Ivette K. Centeno - foto retirada de http://triplov.com/


















Desgrenhada
fugindo da tempestade
entraste na sala bruscamente.

O que vinhas dizer
que não disseste?

A casa
era a casa das crianças.

Alguém
ofereceu um chá.

Outros disseram:
não vejo o lago.

Tu desapareceste.


In «Canções do rio profundo», de Y. K. Centeno (com uma pintura de Jacinta Andrade), colecção «Pequeno Formato» (n.º 25), Edições ASA, Porto, Novembro de 2002 (1.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário