quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

[Rio-me dos que fazem], poema de João José Cochofel

Carvalho em campo de trigo no Alentejo (Portugal) 
Fotografia de Faísca, encontrada em http://www.acatolica.com/

Rio-me dos que fazem
profissão de poeta.

A poesia não é um cartão de identidade
para exigir nas relações cosmopolitas.
A poesia não é a prova malabar
das teorias dos exegetas.

Talvez a poesia seja afinal e apenas isto
apenas esta maneira discreta de adivinhar
os nexos ocultos que existem
entre a espera cansada dos homens
e o hálito fresco da maresia,
a violência quente das searas,
a nitidez metálica das máquinas.

In «Obra Poética» [«Quatro Andamentos», 1964], de João José Cochofel, colecção «Obras Completas», Editorial Caminho, Lisboa, Dezembro de 1988 (1.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário