terça-feira, 28 de janeiro de 2014

[há um melro que começa a cantar ainda mais cedo do que eu], registo diarístico de Miguel Torga

Fotografia encontrada em aves-birds-oiseaux.blogspot.com
Coimbra, 28 de Junho – Numa ínsua que fica em frente da janela do meu quarto há um melro que começa a cantar ainda mais cedo do que eu. Rasga a manhã com assobios tão frescos e lavados, que a sonolência que me fica das insónias desfaz-se e dá lugar a uma vontade lúcida de o acompanhar nos gorjeios. A desgraça é que ele é ave e eu sou homem. As nossas modulações paralelas nunca se encontram. Os poemas dele, orvalhos de som, entram na sinfonia cósmica da natureza, e perdem-se no feliz anonimato das coisas que a mão direita deu sem a esquerda saber. Os meus, esses ficam enclausurados numa pasta, prudentemente à espera que mil artimanhas os consigam levar meia-dúzia de ouvidos impuros.

In «Diário (5.º volume)», de Miguel Torga, edição de autor, Coimbra, 1974 (3.ª edição, revista).

Sem comentários:

Enviar um comentário