quinta-feira, 11 de agosto de 2016

[Não te direi a palavra não farei o sinal], poema de Júlio Pomar
















Não te direi a palavra não farei o sinal
guardarei o gesto a chave o entendimento
haverá um espaço branco um som contínuo
em que nada habitará (quem habita as pontes?)

In «Alguns eventos», poesia de Júlio Pomar (com um desenho do autor), Publicações Dom Quixote, Lisboa, Novembro de 1992 (1.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário