quarta-feira, 10 de agosto de 2016

[Gregor Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco insecto], excerto de «A metamorfose», de Franz Kafka

Imagem encontrada em https://livroarbitriodotco.wordpress.com

Uma manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregor Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco insecto. Estava deitado sobre o dorso, tão duro que parecia revestido de metal, e, ao levantar um pouco a cabeça, divisou o arredondado ventre castanho dividido em rijos segmentos arqueados, sobre o qual a colcha dificilmente mantinha a posição e estava a pontos de resvalar completamente. As inúmeras pernas, que eram miseravelmente finas, comparadas com o resto do corpo, agitavam-se desamparadamente perante os seus olhos.
«Que me aconteceu?», pensou. Não era nenhum sonho. O quarto, um vulgar quarto humano, apenas bastante acanhado, ali estava, como de costume, entre as quatro paredes que lhe eram familiares. Por cima da mesa, sobre a qual se estendia, desembrulhada e em desordem, uma série de amostras de roupas – Samsa era caixeiro-viajante –, estava pendurada a fotografia que recentemente recortara de uma revista ilustrada e colocara numa bonita moldura dourada. Mostrava uma senhora, de chapéu e estola de peles, rigidamente sentada, a estender ao espectador um enorme regalo de peles, dentro do qual todo o antebraço se lhe sumia!
Gregor desviou então a vista para a janela e o céu nublado – ouviam-se os pingos de chuva a baterem na calha da janela – fê-lo sentir-se bastante melancólico. «Que tal, se dormisse mais um bocado e esquecesse todo este disparate?», pensou. Mas era impossível, porque estava habituado a dormir para o lado direito e, na presente situação, não podia virar-se. Por mais violentamente que se esforçasse por inclinar o corpo para a direita, tornava sempre a rebolar, ficando de costas. Tentou, pelo menos, cem vezes, fechando os olhos, para evitar ver as pernas a debaterem-se, e só desistiu quando começou a sentir no flanco uma ligeira dor entorpecida que nunca antes experimentara.
«Oh, meu Deus», pensou, «que trabalho tão cansativo escolhi! Viajar, dia sim, dia não. É um trabalho muito mais irritante do que o trabalho do escritório propriamente dito, e ainda por cima há a maçada de andar sempre a viajar, preocupado com as ligações dos comboios, com a cama e com as refeições irregulares, com conhecimentos casuais, que são sempre novos e nunca se tornam amigos íntimos. Diabos levem tudo isto!» Sentiu uma leve comichão na barriga; arrastou-se lentamente sobre as costas, mais para cima na cama, de modo a conseguir mexer mais facilmente a cabeça, identificou o local da comichão, que estava rodeado de uma série de pequenas manchas brancas cuja natureza não compreendeu, e fez menção de tocar lá com uma perna, mas imediatamente a retirou, pois, ao seu contacto, sentiu-se percorrido por um arrepio gelado.
Voltou a deixar-se escorregar para a posição primitiva. «Isto de levantar cedo», pensou, «estupidifica uma pessoa […]»

In «A metamorfose» (volume que inclui também «O Novo Advogado» e «Um Médico de Aldeia»), de Franz Kafka (tradução de J. A. Teixeira Aguilar, do título original «Die Verwandlung»), Colecção “Livros de Bolso Europa-América” – n.º 114, Publicações Europa-América, Mem Martins, Julho de 1975.

Sem comentários:

Enviar um comentário