sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

CANTO SILENCIOSO, poema de Casimiro de Brito

Pintura de Miró
                                                        










                                                                        (Escrevo; liberto-me
                                                                        do passado)

A paz o teu corpo submerso
no espaço do poema

O tempo visível intacto
na planura do ovo

A paz o teu corpo disperso
a palavra que se não disse

In «Mesa do amor» (segunda edição – emendada e seguida de «Algarve lugar onde»), de Casimiro de Brito, colecção «Poesia nosso tempo» (n.º 17), Centelha – Promoção do Livro, SARL, Coimbra, 1977 (2.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário