terça-feira, 13 de janeiro de 2015

O diálogo e a coragem de deitar fora

Padre Vasco Pinto de Magalhães – Foto encontrada em http://www.paroquiadetires.org/
O truque para conseguir ter um tempo de liberdade e descansar bem está não tanto no ser capaz de ter uma cabeça superorganizada, uma agenda extraordinariamente arrumada, daquelas onde vamos marcando pontinhos a assinalar as tarefas cumpridas, mas em manter-se aberto e dialogante com a realidade.
Nós não dialogamos com a realidade, nem com a nossa nem com a dos outros, e o diálogo seria o ponto de partida. Depois andamos sempre irritados com o que acontece ou com aquilo que as outras pessoas dizem, o que leva a um desgaste enorme ou ao azedume.
Mas o tal “truque” não é mero aceitar ou não aceitar, é o estar aberto, dialogante com as coisas que nos acontecem e com a realidade, o que é uma grande sabedoria e o início do descanso. O “truque” é estar aberto à mudança, e não deixar de ter problemas, mas de viver os problemas em diálogo, o que é um segredo fantástico que nós não praticamos. Quando muito discuto e entro em conflito com a realidade, mas não entro na relação e a relação descansar-nos-ia imenso. Se assim não se faz, não se cresce!
A atitude mais saudável a cultivar seria, precisamente, este diálogo com os acontecimentos, com as situações, com os problemas, que me permitiria captar deles o que me interessa e deitar fora o que não interessa. Aliás, uma das coisas mais interessantes que têm os computadores é o “caixote do lixo”, aquele mecanismo de delete, de deitar fora o que não nos interessa. Ai de quem não tenha um enorme caixote do lixo, onde às vezes até podia deitar quase tudo fora… e ficávamos riquíssimos de espaço e com espaço livre para o que valesse a pena. Mas não, há pessoas que têm o “computador das suas vidas” completamente atulhado. De quê? De nada! E dizem: “Mas pode-me vir a ser necessário!...”.

In «Só avança quem descansa – A sabedoria do tempo», de Vasco Pinto de Magalhães, s. j., Edições Tenacitas, Coimbra, Outubro de 2014 (4.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário