terça-feira, 20 de janeiro de 2015

BRUMA, poema de João José Cochofel

Imagem encontrada em http://naut.blogcindario.com/

A tua carne cantou em mim
como se eu fosse um búzio
e tu um mar em som,
presente e longínquo.

E em ti
que vive hoje ainda,
a reavivar o instante sóbrio e perfeito
que a noite trouxe em teus olhos
debruçados sobre a tua e a minha solidão?...

– Mas quando a noite a fechar-se
chama do mar a bruma rumorejante,
tuas mãos frias e recolhidas
talvez ainda tenham uma saudade muda
para mim…

In «Búzio» (poesia), de João José Cochofel, edição do autor, Coimbra [Oficinas da «Atlântida»], 1940 (1.ª edição, de restrita tiragem).

Sem comentários:

Enviar um comentário