sábado, 29 de março de 2014

«Terramoto 2 – País meu», poema de Lina Céu

Imagem encontrada em http://www.publico.pt/ - Foto de Nuno Ferreira Santos

País meu, má fortuna, amor ausente
Onde está o Abril que resgatou
Tanta tortura e morte e apagou
Com cravos e sem sangue a dor presente?

País meu, onde está a nossa glória
De sermos nação livre, independente,
De termos mente sã e sangue quente
Que fizemos por nós a nossa História?

País meu, foi má sorte ou desvario
Tal como um ventre grávido que amou
Que gerou filhos mas que não pariu?

País meu, sonho meu ou espelho meu
Da velha História que pra trás ficou
Onde está nosso orgulho, onde estou eu?

In «A raiz e o fruto – Sessenta sonetos em dois andamentos com pausa», de Lina Céu, Papiro Editora, Porto, Fevereiro de 2012 (1.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário