quinta-feira, 13 de março de 2014

[O que escrevo tem pelo menos a virtude de ser motivado de dentro], registo diarístico de Miguel Torga

Fotografia encontrada em http://livrespensantes.blogspot.pt/
Coimbra, 21 de Julho de 1952 – Cada vez mais isolado e alheado das tricas literárias, cá vou indo no meu chouto de almocreve. Neguem-me tudo, se quiserem, que tanto se me dá. Nem por isso deixarei de ter, como os meus antepassados, a consciência limpa da honradez do ofício. O que escrevo tem pelo menos a virtude de ser motivado de dentro. Hipócrita comigo mesmo – a verdadeira hipocrisia – não sou. Nem me fica no tinteiro a sinceridade, nem exibo à luz do dia uma coragem que não tenho. Faço o que posso, à sobreposse. E isso me basta para me sentir justificado no plano social e no plano pessoal, e dispensar foguetes e não temer apupos. Um escritor, por modesto que seja, necessita de assentar cada pedra com a probidade, a humildade e a esperança de quem vai enfrentar a erosão dos séculos. Por isso, o seu ouvido deve estar mais atento ao silêncio do futuro do que às palmas do presente.

In «Diário (6.º volume)», de Miguel Torga, edição de autor, Coimbra, 1978 (3.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário