quinta-feira, 1 de agosto de 2013

[suave], poema de Mário Cesariny

Foto retirada de http://www.oportoencanta.com
















suave
a vela abre
e principia
o dia

ela
que pelo azul
que corta
considera e chama
outras velas irmãs para o claro rio
e enquanto
o cais
é um enorme navio
que se nega
e no entanto cumpre
a mais estranha viagem

ele
que parte
vira
para o que abandona
um olhar de brancura
que é toda a matemática
singela
da manhã que inspira

In «Manual de prestidigitação» (poesia), de Mário Cesariny, colecção 'Documenta Poetica', Assírio & Alvim, Lisboa, 2005 (2.ª edição, revista).

Sem comentários:

Enviar um comentário