quinta-feira, 1 de agosto de 2013

[à claridade sóbria], poema de Mário Cesariny

Foto colhida de http://blogatauro.blogspot.pt/ (postada por Cirilo Vargas)

















à claridade sóbria
insistente e velada
o cargueiro desliza
e o nada
do pequenino ponto
que vai ser
pontilha a face lisa
da enseada

em fim de tarde e luz
demanda o céu escurento
uma forte nostálgica
– mas benéfica! – vela
pelo seu movimento

e ela
a água que tem
o seu correr
abre-lhe o seio suave
de mãe fria, de mãe
que o não pode saber

In «Manual de prestidigitação» (poesia), de Mário Cesariny, colecção 'Documenta Poetica', Assírio & Alvim, Lisboa, 2005 2.ª edição, revista).

Sem comentários:

Enviar um comentário