terça-feira, 27 de agosto de 2013

«lisboa (4)», poema de Al Berto

Al Berto – Foto retirada de www.poetanarquista.blogspot.com






















vieste dos remotos desertos africanos onde
semeaste tormentos e filhos negros

enrolas-te agora no pano ardido do tempo
de lisboa – rasgas em tiras dolorosas o sonho
e tentas navegar pelos socalcos dos mares

mas a saudade pelos que partiram e agora
se aproximam desta voz – vêem
um império de navios vazios

e tu
sob o sol cruel – perdido de olhar em olhar
jogando a vida contra o sujo casco dos cacilheiros
vagueias
pelos becos à procura de um rosto que imite
a felicidade da voz perdida – ou um corpo qualquer
para fingir o sono junto ao teu

mas lisboa é feita de fios de sangue
de províncias
de esperas diante dos cafés
de vazio sob um céu plúmbeo que ensombra
os jardins de estátuas partidas

há um pressentimento de sono sem fim
refugias-te num quarto de pensão e dormitas
o dia todo – para que lisboa te esqueça

In «Horto de Incêndio» (poesia), de Al Berto, colecção «peninsulares / literatura» (n.º 49), Assírio & Alvim, Lisboa, Junho de 1997 (2.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário