quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

«SOBRE O GELO», capítulo do romance «O tesouro», de Selma Lagerlöf

Selma Lagerlöf – fotografia encontrada em http://ours-mag.com/

Enquanto Sir Archie se afastava caminhando sobre o gelo, manteve sempre Elsalill segura com o braço.
Sir Filip e Sir Reginald iam ao lado dele. Queriam contar-lhe como tinham sabido da emboscada e como tinham conseguido levar a pesada arca do tesouro até à galeaça e juntado todos os compatriotas, mas Sir Archie não lhes dava ouvidos. Parecia caminhar e conversar com aquela que carregava no braço.
– Quem é que levas contigo? – perguntou Sir Reginald.
– É Elsalill  – respondeu Sir Archie. – Vou levá-la comigo para a Escócia. Não quero abandoná-la aqui. Aqui ela nunca seria mais do que uma pobre peixeira.
– Sim, isso é muito provável – concordou Sir Reginald.
– Aqui, não lhe dariam senão roupas de lã grosseira – continuous Sir Archie, – e uma cama estreita de tábuas duras para dormir. Mas eu vou deitá-la em almofadas fofíssimas e mandar construir o seu lugar de repouso em mármore. Envolvê-la-ei nas peles mais caras e nos seus pés calçar-lhe-ei sapatos com fivelas de pedras preciosas.
– Destinas-lhe grandes honras – disse Sir Reginald.
– Não posso deixa-la ficar aqui – retorquiu Sir Archie, – pois quem é que daqui iria arranjar tempo para se lembrar desta pobre infeliz? Seria esquecido por todos dentro de poucos meses. Ninguém iria visita-la à sua morada, ninguém iria procurá-la na sua solidão. Mas, quando eu chegar a minha casa, mandar-lhe-ei construir uma bela habitação onde o seu nome será gravado em pedra dura para que ninguém o esqueça. Todos os dias irei eu mesmo visita-la, e tudo será organizado tão sumptuosamente, que virá gente de longe só para vê-la. Lá, haverá sempre luz, lampiões acesos de noite e de dia e ouvir-se-á o som da música e canções, como se de uma festa permanente se tratasse.
A tempestade precipitou-se violentamente contra eles enquanto caminhavam sobre o gelo e arrancou a capa de Elsalill, que esvoaçava solta, como um estandarte.
– Queres ajudar-me a segurar Elsalill, durante uns instantes – pediu Sir Archie, – enquanto lhe ajeito a capa em volta do corpo?
Sir Reginald recebeu Elsalill nos braços, mas ficou imediatamente tão horrorizados, que a deixou escorregar por entre as mãos, para o gelo.
– Eu não sabia que Elsalill estava morta! – disse ele.

In «O tesouro», romance de Selma Lagerlöf (tradução de Liliete Martins e revisão de Maria Aida Moura), colecção Gente Independente (n.º 4), Cavalo de Ferro, Lisboa, Fevereiro de 2010 (1.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário