terça-feira, 15 de dezembro de 2015

PEQUENAS BRINCADEIRAS ANIMAIS, poema de Lasse Söderberg

Lasse Söderberg – Fotografia encontrada em http://www.sydsvenskan.se/
1
Um mar de roupa macia invade o quarto de brinquedos. São toalhas de mesa aguardando flamejantes dias de festa, roupas de cama rasgadas em honra da madrugada, mantos caldos que escondem garras de ledo. Também as rosas são de pano, rosas-malva do cadafalso como ligaduras apertadas, como pétalas secas cor de raiva. Ouve-se o ofegar e o som de chicotadas! E no meio da confusa ondulação, sob a bainha descosida de um vestido aparece à vista uma botina vermelha. A brincadeira começou.


2
Eu era capaz de estrangular os cães de colo e transformá-los em borlas de cortinados! Lá vêm eles com o seu ar submisso, mas eu sei que são mal-intencionados, esses pequenos proprietários arrogantes de pêlo azulado, bonitos laçarotes na cabeça, ponta da língua rosada. Só sabem sentar-se nas patas traseiras e pedinchar. Não lhes posso perdoar a insolência e não suporto que se tenham apropriado do afecto das meninas. Não, hão-de ser borlas! Berloques! Pompons!


3
Tudo o que não é céu é pele. Tudo o que não é pele é vertigem. Os caracóis do cabelo são recordações deixadas pelos anjos. A sua passagem pela terra. Alice e as companheiras de brincadeiras apinham-se em torno da cama desfeita, afogueadas. Eu sei: elas domesticam o meu fantasma.

In «Coração de papel», de Lasse Söderberg (seminário de tradução colectiva Poetas em Mateus, Abril-Maio de 1998: Ana Luísa Amaral, Egito Gonçalves, Fernando Amaro, Fernando Pinto do Amaral, Gonçalo Vilas-Boas, Malin Löfgren, Manuel António Pina, Miguel Serras Pereira, Pedro Mexia, Rosa Alice Branco; com revisão de Ana Luísa Amaral e Gonçalo Vilas-Boas; e nota biobibliográfica de Gonçalo Vilas-Boas), Quetzal Editores, Lisboa, 2001 (1.ª edição). 

Sem comentários:

Enviar um comentário