segunda-feira, 16 de novembro de 2015

[Tudo vive em mim. Tudo se entranha], poema de Hilda Hilst

Foto encontrada em http://www.brasilpost.com.br/

Tudo vive em mim. Tudo se entranha
Na minha tumultuada vida. E por isso
Não te enganas, homem, meu irmão,
Quando dizes na noite, que só a mim me vejo.
Vendo-me a mim, a ti. E a esses que passam
Nas manhãs, carregados de medo, de pobreza,
O olhar aguado, todos eles em mim,
Porque o poeta é irmão do escondido das gentes
Descobre além da aparência, é antes de tudo
Livre, e por isso conhece. Quando o poeta fala
Fala do seu quarto, não fala do palanque,

Não está no comício, não deseja riqueza
Na barganha, sabe que o ouro é sangue
Tem os olhos no espírito do homem
No possível infinito. Sabe de cada um
A própria fome. E porque é assim, eu te peço:
Escuta-me. Olha-me. Enquanto vive um poeta
O homem está vivo.

In «Brasil 2000 - Antologia de Poesia Contemporânea Brasileira», organizada por Álvaro Alves de Faria, Alma Azul, Coimbra-Castelo Branco, Outubro de 2000 (1.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário