sexta-feira, 17 de maio de 2013

O PENSAMENTO É FEITO DE IMAGENS

António Damásio – Imagem retirada de http://sabermaiscomnabeiro.blogspot.pt
É habitual dizer-se que o pensamento não é feito apenas de imagens, que também é constituído por palavras e por símbolos abstratos não imagéticos. É claro que ninguém vai negar que o pensamento inclui palavras e símbolos. Mas o que a afirmação habitual não dá conta é do facto de tanto as palavras como os outros símbolos serem baseados em representações topograficamente organizadas, e serem eles próprios imagens. A maioria das palavras que utilizamos na nossa fala interior, antes de dizermos ou de escrevermos uma frase, existe sob a forma de imagens auditivas ou visuais na nossa consciência. Se não se tornassem em imagens, por mais passageiras que sejam, não seriam nada que pudéssemos saber. Isto é verdade até mesmo para aquelas representações topograficamente organizadas que não são acedidas à luz límpida da consciência, mas que são ativadas de forma oculta. Sabemos, através de experiências de priming, que embora estas representações sejam processadas de modo não consciente podem influenciar o curso do processo de pensamento e até irromperem na consciência, um pouco mais tarde. (Priming consiste em ativar uma representação de forma incompleta e pré-consciente.)

In «O Erro de Descartes – Emoção, razão e cérebro humano» (com o novo prefácio «Regresso ao Erro de Descartes»), de António Damásio (adaptado para a língua portuguesa por António Damásio, com revisão de Pedro Ernesto Ferreira), Temas e Debates (Círculo de Leitores), Lisboa, Setembro de 2011 (esta edição segue a grafia do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa).

Sem comentários:

Enviar um comentário