quarta-feira, 30 de novembro de 2016

MAR DE SETEMBRO, poema de Eugénio de Andrade

Imagem encontrada em http://www.heliocristovao.net/

Tudo era claro:
céu, lábios, areias.
O mar estava perto,
fremente de espumas.
Corpos ou ondas:
iam, vinham, iam,
dóceis, leves – só
ritmo e brancura.
Felizes, cantam;
serenos, dormem;
despertos, amam,
exaltam o silêncio.
Tudo era claro,
jovem, alado.
O mar estava perto.
Puríssimo. Doirado.

In «Coração do Dia / Mar de Setembro», poesia de Eugénio de Andrade (com texto, reproduzido nas badanas, da autoria de Fernando Pinto do Amaral), Colecção «Obra de Eugénio de Andrade» (n.º 3), Fundação Eugénio de Andrade, Porto, Setembro de 1994 (11.ª edição / 12.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário