terça-feira, 29 de novembro de 2016

ASSIM É A POESIA, escrevia Eugénio de Andrade há 31 anos

Foto encontrada em http://viajeaqui.abril.com.br/

Não sei onde acordei, a luz perde-se ao fundo do corredor, longo, longo, com quartos dos dois lados, um deles é o teu, demoro muito, muito a chegar lá, os meus passos são de menino, mas os teus olhos esperam-me, com tanto amor, tanto, que corres ao meu encontro com medo que tropece no ar – ó musicalíssima.
28.11.85

In «Antologia Breve», poesia de Eugénio de Andrade, Colecção «Obra de Eugénio de Andrade» (n.º 25), Fundação Eugénio de Andrade, Porto, Maio de 1994 (6.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário