terça-feira, 10 de março de 2015

«Cantiga», poema de Cabral do Nascimento

Cabral do Nascimento – Foto encontrada em http://purl.pt/

Deixa-te estar na minha vida
Como um navio sobre o mar.

Se o vento sopra e rasga as velas
E a noite é gélida e comprida
E a voz ecoa das procelas,
Deixa-te estar na minha vida.

Se erguem as ondas mãos de espuma
Aos céus, em cólera incontida,
E o ar se tolda e cresce a bruma,
Deixa-te estar na minha vida.

À praia, um dia, erma e esquecida,
Hei, com amor, de te levar.
Deixa-te estar na minha vida.
Como um navio sobre o mar.

In «366 Poemas que Falam de Amor», antologia organizada por Vasco Graça Moura, Quetzal Editores, Lisboa, Fevereiro de 2009 (3.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário