quarta-feira, 30 de outubro de 2013

[uma opinião pessoal sobre o chá-no-iu], por Wenceslau de Moraes

Wenceslau de Moraes
Não me peçam agora, a mim, profano na matéria e viageiro fatigado de tão multíplices impressões que tenho vindo colhendo por este mundo fora, uma opinião pessoal sobre o chá-no-iu. Estive uma vez, é certo, com dois ou três amigos, em uma das chaias de mais fama da cidade de Cobe; e Tama-Guicu (o Malmequer Precioso) era a esplêndida sacerdotisa da cerimónia. A impressão que daquela noite guardo é indefinida, fugidia, como de um vago sonho que tivesse. Ficaram-me reminiscências indecisas do luxo sóbrio e harmonioso e do asseio extremo das coisas impregnadas de exotismo onde poisou o meu olhar. Na meia-luz do plácido aposento, amplo e silencioso como um templo, contornava-se, distante, um vulto de mulher, de joelhos, envolta em sedas magníficas. As atenções fixavam-se especialmente, como que por atracção hipnótica, nas suas mãos finíssimas, alvejando no espaço como se fossem de marfim, tomando de estranhos utensílios, preparando não sei que filtro de magia, poisando em mímicas hieráticas, quais mãos de mística oficiante de uma religião desconhecida. Por fim, convidado a partilhar no sacrifício, aceitava uma taça com chá que me era oferecida e levava-a aos lábios comovido, com não sei que súbitos escrúpulos de apóstata mal firme...
Tama-Guicu concluíra. Ergueu-se, deslumbrante de graças, de atavios, de majestade. O seu rostinho meigo iluminava-se então da exaltação beatífica que lhe electrizava o espírito; dirigiu sobre nós a ardência negra dos seus olhos, saudou-nos reverente... reverente, não porque uma ínfima cortesia sequer lhe merecêssemos – pobres ocidentais ignaros! –, mas em estrita obediência aos preceitos rituais; e desapareceu da cena.

In «O culto do chá», de Wenceslau de Moraes (com ilustrações de Iochiaqui, gravadas por Gotô Seikodô), Frenesi, Lisboa, Abril de 2004 (conforme à 1.ª edição japonesa, de 1905, assinalando os 150 anos do nascimento do autor e os 25 anos da casa Frenesi).

Sem comentários:

Enviar um comentário