quinta-feira, 26 de maio de 2016

LOUCURA, poema de Telo de Morais


















Sem loucura,
Não há heróis
Nem poetas.

Sem golpes de vento,
Não há velas
Enfeudadas
Que aportem
A destinos
Que os outros
Desconhecem.

Sem as asas
Do sonho,
Não se atingem
As alturas
Da beleza
Criadora,
Aos outros
Inacessível.

Sem loucura,
A flor murcha
O rio seca
O amor fenece
O mundo acaba.

In «Estudo para Auto-retrato (Poemas)» (com prefácio de Andrée Rocha), edição do Autor (distribuidor: Livraria Almedina), Coimbra, Novembro de 1997 (1.ª edição).

Sem comentários:

Enviar um comentário