quinta-feira, 30 de julho de 2015

[Os poetas, a poesia e os seus leitores], registo de João José Cochofel

Foto encontrada em http://www.infopedia.pt
Lisboa, Março de 1952

A abundância de poetas e de poesia, e – diga-se desde já – de um modo geral boa poesia, leva-nos a reflectir: onde se ocultará afinal a crise poética que todos nós sentimos existir? De que provirá esta sensação de desencanto, de cansaço, de desvitalização que, ano a ano, mês a mês, alarmadamente verificamos insinuar-se nos nossos juízos, minar as nossas preferências, e acabar por instalar-se na nossa apreciação do fenómeno poético português? Uma coisa é certa: existe de facto um fosso aberto entre o poeta e o leitor, entre a poesia e o público, fosso que os anos vão alargando mais e mais. Os livros saem, passam e esquecem, sem que ninguém se dê conta, nem a massa de leitores anónimos que devia constituir o fundo permanente de consumidores poéticos nem já quase sequer os círculos restritos dedicados às coisas da arte. E o poeta, ao publicar o seu livro, sente que o atira para o fundo de uma gaveta.
Ora nestas circunstâncias toda a vida poética – ou literária, ou genericamente artística – se torna fictícia. Sem jornais e sem revistas literárias que agitem e esclareçam as questões estéticas, sem leitores, como há-de a poesia sobreviver como fenómeno vital da vida cultural e mesmo social do país? Como hão-de o autor e o leitor estabelecer entre si o necessário diálogo, se regra geral falam línguas diferentes? E estamos chegados ao âmago da questão: poetas e público não acertam o passo, afastam-se e perdem-se por caminhos divergentes, na ausência de uma teia exterior e interior de acontecimentos e relações que os aproximem e os sincronizem. O público não se encontra preparado para a recepção poética; e o poeta, isolado, sem estímulos, sabendo que a sua arte não corresponde a uma necessidade autêntica, mas funciona muitas vezes apenas como um sucedâneo do panfleto ou da própria acção, não encontra, mau grado as suas porventura grandes qualidade de artista, a matéria e o tom adequados ao que de novo e estimulante teria de a exprimir. Há todavia aqui um aspecto em que gostaria de insistir. Apertado neste círculo vicioso, o poeta retrai-se, no pudor dos próprios pensamentos e das próprias emoções, aplicando-se a burilar a forma que a pouco e pouco deixará de ser para ele um elemento funcional, e pranteia uma nostalgia da comunhão humana que lhe falha através do contacto procurado com a sua arte e que, por mais verídica e pungente que realmente seja, nos seus versos aparece mais como vontade, como deliberação, ou quando muito como ideal frustrado. Pois bem: a crise da poesia portuguesa contemporânea, ou melhor, da parte mais viva e que na verdade interessa desta poesia, porque da outra não tenho que me ocupar, parece-me residir precisamente nisto: na sua falta de convicção, de confiança em si própria e no homem que serve. De nada lhe valerá fingir ignorar essa debilidade e procurar uma solução no decalque ou na inspiração de poesias estrangeiras mais afortunadas, a francesa sobretudo, que teve na Resistência um poderoso elixir de rejuvenescimento; quer queiramos quer não, é aqui em Portugal, e pelos seus próprios meios, que o problema da poesia portuguesa tem que ser resolvido. De nada lhe valerá tampouco tergiversar, fingir-se desinteressada e refugiar-se na, tantas vezes admirável, procura formal ou rebusca interior. O círculo vicioso mantém-se e aperta-se até, e a nostalgia de que atrás falava surge nela como o traço psicológico mais vincado: a nostalgia do homem verdadeiramente humano pressentido, mas carecendo de força ou de possibilidades para ajudar a alcançá-lo. O poeta, apesar de tudo, não renuncia nem se dá por vencido, e mesmo desajudado, mesmo sozinho, teima heroicamente em erguer um canto paradoxalmente tímido. (…)

In «Opiniões com Data», João José Cochofel, Obras Completas [de] João José Cochofel, Editorial Caminho, Lisboa, Outubro de 1990.

Sem comentários:

Enviar um comentário